domingo, 27 de fevereiro de 2011

eu só queria ter aprendido isto antes





Passamos a amar quando telefonamos para ficar em silêncio.

                                                               por Fabrício Carpinejar.



sábado, 26 de fevereiro de 2011

a questão é só você querer enxergar




“Não sou de demonstrar sentimentos
mas sou cheio deles. 
Eu sofro em silêncio
amo com o olhar 
falo por sorrisos.


Tati Bernardi

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

cause my heart can't take it anymore...



I don't wanna know
if you're playing me, keep it on the low
cause my heart can't take it anymore
and if you're creeping, please don't let it show
oh baby I don't wanna know



.

e aí, Esqueço!



- sabe, meu maior medo nessa história é que um dia você transforme todo esse sentimento em algo negativo.
- imagina, isso não pode acontecer.
- será? (irônico)
- huuum (pensativo)




E não é que a situação parece caminhar pra isso? Sinceramente eu sempre acreditei que não fosse possível, mas agora, vendo a situação de um outro lado, limpando os olhos daquela nuvem que impedia a visão nítida da situação, eu percebo que isso pode estar acontendo... 


Eu me lembro, que num caso muito semelhante a este eu disse a seguinte frase que resume bem a minha personalidade: "sou Teimoso, porém me canso fácil e aí, Esqueço!"


Trocando em miúdos  eu sou persistente, insisto nas situações mais hipotéticas e fantasiosas que minha mente permite, mas um dia eu canso. As vezes (muitas vezes eu diria) esse tempo demora, e enquanto isso não acontece o meu masoquismo me faz ficar dando murros em facas pontiagudas. Mas um dia a ficha caí, o mundo te dá um chacoalhão e você é jogado pra fora da sua bolha imaginária.


É aquele famoso choque com a realidade. Não que foi uma novidade, nunca. É só uma maneira mais brusca de você entender como as coisas tem que ser.


O questionamento que fica é só se a rispidez que chega junto com a situação não tornará a situação intragável? 


Pois bem, a minha parte eu fiz... insisti o quanto pude, tenho ao meu lado a tentativa, ao invés da fuga da realidade e escolha pela parte ilógica da vida. 


Afinal ~ "O mundo do fingimento é uma gaiola, e não um casulo!"








.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

a interpretação vai daquele que vê




Culpa de quem esperou demais por algo que não veio? 
É uma situação bem comum onde aquele que decepciona continue o mesmo. 
As vezes mostra demais com palavras e alguns gestos discretos mas, a ação não chega, a mudança não chega; é uma versão daquilo que realmente é: projeções.
Alias, alguém bem diferente. 
Fantasia-se uma possível mudança o tempo todo. E esse caso é o pior de todos. 
Alguém nu e cru, com sinais indicativos de que é aquilo mesmo, e o outro ainda tem a esperança de transformar. 
Acontece o óbvio: a decepção, nesse caso, é ainda mais certeira. 
A fantasia é bem perigosa. Pior ainda quando outras pessoas que convivem com o autor da decepção indicam àquele, cheio de ilusões, que o que está sendo mostrado sempre aquilo mesmo...


.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

bem poucas eu diria



"Deveria ter uma tabela antipaixão como a que fizeram para os tabagistas. Marcaríamos um xis nas vezes que pensássemos no outro. Assumindo a fraqueza. Contando as horas em que fôssemos capazes de esquecer. Poucas, no meu caso."


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

[~]



Eu queria que em um dia qualquer, 
você chegasse de fininho
me abraçasse apertado e dissesse: 
Senti sua falta. 






Quantas guerras terei que vencer 
por um pouco de paz?

.

mesmo que por causa delas eu não saiba o que fazer das minhas...

domingo, 20 de fevereiro de 2011

de noite na cama...



Queria que você pudesse escutar (ver, ouvir, sentir
tudo o que eu penso (sinto, choro) antes de dormir.


.


Caiu a ficha?







            porque é a lógica da situação... mais cedo ou mais tarde a ficha cai.
                                        as vezes demora um pouco porque insistimos em não ver aquilo que está diante dos nossos olhos.
                                                                        agora eu me questiono se quando isso acontecer, por inteiro, se eu não irei  mudar e perder todo aquele brilho que existia, se a situação não vai me deixar mais frio e arredio para com o meio. 
                só sei que a gente acaba endurecendo com os trancos que levamos...


.



Será que alguém sente ciúmes de mim?


sábado, 19 de fevereiro de 2011

já dizia a sabedoria histórica....



Você acorda e mata um leão por dia, porque é isso que você tem que fazer todos os dias
E se você não o faz, é ele que te mata... é uma espécie de lei de sobrevivência aliada ao lei do mais forte. Cabe a você a escolha entre ser a presa ou predador.
E todo dia, quando você acorda, a história se repete... 
                  E aí, quem vai ser?





sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

cansei dessa palhaçada...




eu já disse várias vezes e continuo repetindo... CANSEI DESSA PALHAÇADA, quero devolver AGORA! Decidi que vou voltar a ser criança...



OFF




hoje eu acordei com a sensação de que as inspirações e os sentimentos me faltam; as palavras estão todas aqui, mas me sinto um analfabeto por não saber o que fazer com elas, sem saber encaixá-las para descrever esse nada que está dentro de mim. acho que é só o encerramento deste ciclo; por mim, eu encerraria meu expediente neste exato momento, voltaria pra minha casa, pra minha cama, pro meu edredon... ligaria o meu ipod no aleatório e hibernaria.



quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

[...]





.

A vida é feita de escolhas




Não podemos ter tudo na vida, isso todo mundo sabe, por isso precisamos fazer escolhas. Todos os dias fazemos, mesmo quando não as percebemos, e acredite isso realmente acontece! Para receber algo novo precisamos abrir mão do velho. A vida é assim, e até concessões também são uma forma de escolha;  Assim, lembre-se: você faz suas escolhas, mas no final, as suas escolhas fazem você...


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

mas não adianta...




"Pra não pensar na falta, eu me encho de coisas por aí. Me encho de amigos, bares, livros, músicas..."
[Tati Bernardi]

preciso e doloroso;

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Quantas vezes você engoliu seus problemas para ajudar outras pessoas?



[...]

as vezes me parece clichê mas não existe outra definição...






"Difícil não é lutar pelo que mais se quer, mais sim desistir de quem se ama. Eu precisei desistir, mais não pense que desistir por não ter mais forças pra lutar, mais sim não ter mais condições de sofrer..."

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

o que eu faço com esse vazio?







AMAR É QUEBRAR PRÉ-REQUISITO
romper estatísticas.


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Shiu, não fala nada!





Não fala nada
Deixa tudo assim por mim
Eu não me importo se nós não somos bem assim
É tudo real nas minhas mentiras
E assim não faz mal
E assim não me faz mal não
Noite e dia se completam no nosso amor e ódio eterno
Eu te imagino
Eu te conserto
Eu faço a cena que eu quiser
Eu tiro a roupa pra você
Minha maior ficção de amor
E eu te recriei só pro meu prazer
Só pro meu prazer
Não vem agora com essas insinuações
Dos seus defeitos ou de algum medo normal
Será que você não é nada que eu penso?
Também se não for não me faz mal
Não me faz mal não
Noite e dia se completam no nosso amor e ódio eterno
Eu te imagino
Eu te conserto
Eu faço a cena que eu quiser
Eu tiro a roupa pra você
Minha maior ficção de amor
E eu te recriei só pro meu prazer
Só pro meu prazer...



You don't no, nada mais

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

vai do que você quer ver




Finjo o tempo todo
rio, 
sou alegre, 
dispersivo
com aquele brilho superficial 
e ridículo
E em cada fim de noite 
me sinto um lixo.



eis que...







falta pouco, mas realmente muito pouco, pra que entregar os pontos. eu realmente estou prestes a me convencer não só que eu sou a pessoa certa, como que eu tenho quer parar de ir contra a maré, de lutar contra o que parece inevitável.
acredito que seja questão de tempo. porque lutar pelo que se deseja é algo totalmente louvável, porem insistir reiteradamente numa situação que esgota minhas energias não me parece razoável. os fatos estão aí, e somente a minha ótica faz com que eles sejam favoráveis, pois definitivamente não o são.
acho que já chega, estou realmente muito cansado de criar ilusões, de viver de expectativas criadas pelo meu subconsciente, afinal, se fosse pra ser diferente não haveria de existir empenho de só uma das partes. 
assim, ou as coisas serão feitas forma aberta ou eu pendurarei minhas chuteiras, mas eu o farei de maneira oposta à minha vida: às claras... afinal alguém terá que fazê-lo em algum momento. 
a minha única dúvida nisso tudo é se você vai deixar com que eu faça isso sozinho, dando razão aos fatos ou vai tentar me impedir dando razão a mim... qualquer que seja a opção a situação caí na descrição perfeita da FY.


terça-feira, 8 de fevereiro de 2011




Chega uma hora em que você cansa. 
Cansa de se preocupar, 
cansa de tentar agradar, 
cansa de fazer tudo em vão...



se eu peco é na vontade


[...]

Depois de ter vivido o óbvio utópico
te beijar
e de ter brincado sobre a sinceridade

[...]

De perto eu não quis ver
que toda a anunciação era vã

[...]

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011




Estar em casa, como eu disse, depende do sentimento que carregamos dentro de nós e não do lugar físico que estamos.



domingo, 6 de fevereiro de 2011


Just 4 u!


ou vai ou fica





Para que o mundo lhe conceda a graça de ser feliz. O caminho é este, tem pedra, tem sol, tem bandido, mocinho, tem você amando, tem você sozinho, é só escolher: ou vai ou fica .


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

OBRIGADO POR INSISTIR!





Até o mais seguro dos homens e a mais confiante das mulheres já passaram por um momento de hesitação, por dúvidas enormes e dúvidas mirins, que talvez nem merecessem ser chamadas de dúvidas, de tão pequenas. Vacilos, seria melhor dizer. Devo ir a este jantar, mesmo sabendo que a dona da casa não me conhece bem? Será que tiro o dinheiro do banco e invisto nesta loucura? Devo mandar um e-mail pedindo desculpas pela minha negligência? Nesta hora, precisamos de um empurrãozinho. E é aos empurradores que dedico esta crónica, a todos aqueles que testemunham os titubeios alheios e dizem: vá em frente!
Obrigada por insistir para que eu pintasse, que eu escrevesse, que eu actuasse, obrigada por perceber em mim um talento que minha autocrítica jamais permitiria que se desenvolvesse.”
“Obrigada por insistir para que eu fosse visitar meu pai no hospital, eu não me perdoaria se não o tivesse visto e falado com ele uma última vez, eu não teria ido se continuasse sendo regida apenas pela minha teimosia e orgulho.”
“Obrigada por insistir para que eu conhecesse Veneza, do contrário eu ficaria para sempre fugindo de lugares turísticos e me considerando muito esperta, e com isso teria deixado de conhecer a cidade mais surreal e encantadora que meus olhos já viram.”
“Obrigada por insistir para que eu fizesse o exame, para que eu não fosse covarde diante das minhas fragilidades, só assim pude descobrir o que trago no corpo para tratá-lo a tempo. Não fosse por você, eu teria deixado este caroço crescer no meu pescoço e me engolir com medo e tudo.”
Obrigada por insistir para eu voltar pra você, para eu deixar de ser adolescente e aceitar uma vida a dois, uma família, uma serenidade que eu não suspeitava. Eu não sabia que amava tanto você e que havia lhe dado boas pistas sobre isso, como é que você soube antes de mim?
“Obrigada por insistir para que eu deixasse você, para que eu fosse seguir minha vida, obrigada pela sua confiança de que seríamos melhores amigos do que amantes, eu estava presa a uma condição social que eu pensava que me favorecia, mas nada me favorece mais do que esta liberdade para a qual você, que me conhece melhor do que eu mesma, apresentou-me como saída.”
“Obrigada por insistir para que eu não fosse àquela festa, eu não teria aguentado ver os dois juntos, eu não teria aturado, eu não evitaria outro escândalo, obrigada por ficar segurando minha mão e ter trancado minha porta.
Obrigada por insistir para eu cortar o cabelo, obrigada por insistir para eu dançar com você, obrigada por insistir para eu voltar a estudar, obrigada por insistir para eu não tirar o bebê, obrigada por insistir para eu fazer aquele teste, obrigada por insistir para eu me tratar.”
Em tempos em que quase ninguém se olha nos olhos, em que a maioria das pessoas pouco se interessa pelo que não lhe diz respeito, só mesmo agradecendo àqueles que percebem nossas descrenças, indecisões, suspeitas, tudo o que nos paralisa, e gastam um pouco da sua energia conosco, insistindo.








Não há maior pressão do que a falta de resposta(s).

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011



E essa inquietação?




"Eu finjo que não me importo, 
mas no fundo isso machuca."


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

OdoYá...




Dia 2 de fevereiro - dia de festa no mar”, segundo a música do compositor baiano Dorival Caymi. 


É o dia em que todos vão deixar os seus presentes nos balaios organizados pelos pescadores do bairro do Rio Vermelho junto com muitas mães de santo de terreiros de Salvador, ao lado da Casa do Peso, dentro da qual há um peji de Yemanjá e uma pequena fonte. 

Na frente da casa, uma escultura de sereia representando a Mãe d´Água baiana, Yemanjá

Desde cedo formam-se filas para entregar presentes, flores, dinheiro e cartinhas com pedidos, para serem levados à tarde nos balaios que serão jogados em alto mar. 

É única grande festa religiosa baiana que não tem origem no catolicismo e sim no candomblé. (Dia 2 de fevereiro é dia de N.Sra. das Candeias, na liturgia católica, e esta Nossa Senhora é mais freqüentemente paralelizada com Oxum, a vaidosa deusa das águas doces). 





Iemanjá, rainha do mar, é também conhecida por dona Janaína, Inaê, Princesa de Aiocá e Maria, no paralelismo com a religião católica. 

Aiocá é o reino das terras misteriosas da felicidade e da liberdade, imagem das terras natais da África, saudades dos dias livres na floresta (AMADO,1956;137) 


Dois de fevereiro é - oficiosamente - feriado na Bahia. É considerada a mais importante das festas dedicadas a Yemanjá.

Odorico Tavares narra que, nos outros tempos, os senhores deixaram seus escravos uma folga de quinze dias para festejarem a sua rainha em frente ao antigo forte de São Bartolomeu em Itapagipe.

Às 4 da tarde é que saem os barcos que levam os balaios cheios de oferendas a serem lançados em alto mar. Quando as embarcações voltam para a terra os acompanhantes não olham para trás, que faz mal. Diz a lenda, que os presentes que Yemanjá aceita ficam com ela no fundo do mar, e os que ela não aceita são devolvidos à praia pela maré, à noite e no dia seguinte, para delícia dos meninos, que vão catar nas praias os presentes não recebidos por ela. 

Jorge Amado conta que se Iemanjá aceitar a oferta dos filhos marinheiros é que o ano será bom para as pescarias, o mar será bonançoso e os ventos ajudarão aos saveiros; se ela o recusar,... ah! as tempestades se soltarão, os ventos romperão as velas dos barcos, o mar será inimigo dos homens e os cadáveres dos afogados boiarão em busca da terra de Aiocá

No Brasil Yemanjá é orixá do mar e considerada mãe de todos os orixás de origem ioruba (os de origem daomeana - Omolu, Oxumaré e às vezes Exu - são tidos como filhos de Nanã). 

Yemanjá é festejada em muitos locais na Bahia. Vive e é festejada na Ribeira, em Plataforma; na península de Humaitá, onde fica a igrejinha de Montserrate; na Gameleira, na ilha de Itaparica; no Rio Vermelho, frente à igreja de Santana, e em muitos outros lugares conhecidos pelos seus filhos e filhas de santo, que vão aí oferecer seus presentes e fazer suas obrigações.





                                    



"O canto da lavadeira

É da África que vem
O molejo das cadeiras
É da África que vem
O tempero da comida
É da África que vem
Nossa raça, nossa fibra
É da África que vem

A sede de liberdade
É da África que vem
A luta por igualdade
É da África que vem
O perfume de Nanã
É da África que vem
A estrela da manhã
É da África que vem

O samba e o axé
Martelo de Xangô
A sanha e a fé
O som do agogô
Os blocos de afoxé
O encanto de Iemanjá
Oh, África mulher
Oh, mãe dos Orixás…"


        [África mulher]


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

RAAAWR!







   Algo não é verdade simplesmente porque alguém disse isso, mas no meu caso, a verdade é uma coisa muito consciente e a resposta dos meus questionamentos foi uma espécie de dejà vu - constante e contemplador.

    Não se trata de uma grande novidade, tampouco alguma situação inesperada. Eu simplesmente repeti em voz alta um pensamento que há tempos não sai da minha cabeça.

             O problema não é o que aquele ser assim, o outro ser assado... não, nunca foi essa a origem do problema. A resposta é mais simples do que parece. A solução reside justamente em minhas projeções e expectativas ilusórias.

A questão é que simplesmente eles não eram você. [simply because they were not you]

                      Não é que não me faziam felizes ou eu não os quisesse. O grande problema é a projeção de perfeição que eu vejo reiteradamente em você e, o quão bom isso é, mesmo que idealizado.

                    E eu não posso ser feliz assim.

Desse modo eu nunca poderei. Enquanto eu não dividir o hipotético do real e separar muito bem as coisas não vai haver espaço pra mais nada, vai ser só uma grande dúvida que vai me acompanhar, deixando aparentes as arestas internas e o vulto que me acompanha diuturnamente.

E mais uma vez eu me pergunto se são somente projeções que a minha mente fértil produz, ou se é verdade o que os meus sentimentos me dizem.

                        E mais uma vez essa dúvida me assombra: até que ponto vai essa imaginação toda?

     Sendo certo que outrora ficou provado que eu tinha razão e por não agir no tempo certo acabei por perder, acabei por deixar de viver, acabei por me perder no caminho, e por isso, restou a dor latente daquele sentimento não vivido por falta de atitude.

                                         E aí, por medo de viver, por medo de sentir acabou restando apenas as seqüelas causadas por feridas que insistem em não cicatrizar.


[simply because they were not you]